Teleconsultoria Médica

Está com problemas sexuais recorrentes? Veja o que fazer


As disfunções sexuais masculinas tiram o sono de muitos homens, principalmente quando se tornam frequentes. Os problemas mais comuns que afetam milhões de homens ao redor do mundo estão relacionados a ejaculação precoce, disfunção erétil e falta de desejo sexual. Em alguns casos, são comuns relatos de falta de orgasmo e ejaculação atrasada.

É preciso saber que, em alguns pacientes, um dos problemas sexuais pode vir acompanhada de outra. Por isso, é importante o diagnóstico precoce e o tratamento médico adequado, a fim de evitar que os problemas se agravem, gerando quadros depressivos e outras doenças.

Para entender as diferenças entre cada um dos problemas sexuais e seus tratamentos, procurar um médico é fundamental. Assim que notar alguma alteração na vida sexual, atente se o problema se tornar recorrente. Procure uma clínica de andrologia de sua confiança.

Ejaculação precoce: um dos problemas sexuais mais comuns na população masculina mundial

A ejaculação precoce tem como principal característica a falta da capacidade de segurar a ejaculação para o momento correto. Muitas vezes, a ejaculação adiantada acaba impedindo até o ato sexual. Esse déficit do controle sobre a ejaculação, acaba interferindo não só na vida sexual, mas também emocional do homem e de sua parceira. O tratamento envolve exercícios, acompanhamento médico e também psicológico.

Entre todas os problemas sexuais, a ejaculação precoce afeta a vida de cerca de 30% da população masculina mundial.

Ejaculação atrasada

Diferente da ejaculação precoce, a ejaculação atrasada é um dos problemas sexuais que dificulta que o homem chegue ao orgasmo. Do mesmo modo, ambas têm origens emocionais. Em alguns casos, o uso de medicamentos pode ser indicado pelo médico, mas estudos comprovam que a real eficácia se dá com tratamento psicológico. Aliado à orientação médica, exercícios também podem melhorar o desempenho, facilitando para que o homem consiga atingir o orgasmo.

Disfunção erétil

Um dos problemas sexuais mais comuns, que aparece em homens de diversas faixas etárias, a disfunção erétil, muitas vezes aparece por conta da combinação de diversos fatores. Físicos, emocionais, doenças crônicas ou vasculares são os principais fatores de risco. O uso de drogas ou medicamentos também pode contribuir para o quadro. Porém, entre as disfunções mais comuns, é uma das mais fáceis de serem tratadas.

Excluindo os fatores de risco e descartando o uso de drogas ou medicamentos, é possível traçar o tratamento médico adequado.

Falta de desejo sexual

Em outros casos, a diminuição da libido também pode aparecer como um sintoma de problemas sexuais. A falta de interesse pela parceira ou pelo sexo, normalmente, pode ser causada por disfunções hormonais e emocionais. Em alguns casos, o uso de medicamentos e drogas pode contribuir para a queda do desejo em alguns homens.

Doenças crônicas também podem o motivo. Investigar as causas é o início para a solução da questão. Além de acompanhamento médico, acompanhamento emocional e medicamentoso pode solucionar o quadro.

Falta de orgasmo

Entre os problemas sexuais, a falta de orgasmo pode ser facilmente confundida com a ejaculação atrasada. Por isso, é preciso definir bem; é possível um homem ter ereção sem ejaculação, ejaculação sem ereção e orgasmo sem ejaculação. Isso porque o orgasmo é a sensação, ejaculação é a saída de esperma do pênis.

A falta dessa sensação pode ser causada por questões biológicas ou emocionais. Entre as causas físicas, o hipotireoidismo, problemas neurológicos, problemas de próstata e outras doenças podem ser as culpadas. Por isso, procurar um médico especialista é a melhor saída.

Ao detectar que está sofrendo de problemas sexuais, além de procurar uma clínica de andrologia que poderá indicar o tratamento correto para cada caso, vale consultar as dicas sobre uma mais saudável no e-book “Tudo o que você precisa saber para ter mais qualidade de vida”, onde você encontra respostas sobre como se prevenir de diversas doenças.

Já consultou um andrologista? Compartilhe sua experiência.

Teleconsultoria Médica